CBN - A rádio que toca notícia

PROPINA

Inquérito sobre decreto dos portos poupa sigilo bancário de Temer

A consulta aos autos revela que uma série de medidas não foram tomadas pela PGR e pela PF

12/02/18, 11:36
 
P
assados quatro meses da abertura do inquérito sobre um decreto do setor portuário, os sigilos bancário, telefônico e fiscal do presidente Michel Temer, de amigos e empresários foram preservados pelos investigadores -no caso, a Procuradoria Geral da República e a PF (Polícia Federal).

Na última sexta-feira (9), em entrevista à agência Reuters, o diretor-geral da PF, Fernando Segovia, criticou a qualidade das provas obtidas e indicou que o inquérito poderá ser arquivado.

A consulta aos autos, porém, revela que uma série de medidas não foram tomadas pela PGR e pela PF.

A investigação, que procura saber se Temer recebeu vantagem indevida das empresas da área, se concentrou até agora em aspectos formais, como depoimentos de dez investigados -incluindo Temer- que negam qualquer irregularidade na edição do decreto.

O inquérito foi aberto a partir da delação da JBS. Em telefonemas, o ex-assessor presidencial Rodrigo Loures conversou com membros do governo e parlamentares sobre o decreto. Ele queria incluir no texto um grupo de portos que tinham recebido concessões e arrendamentos antes de uma lei de 1993.

No decreto, de maio de 2017, o grupo acabou excluído -um dos pontos usados pela defesa de Temer para pedir arquivamento do caso.

Tanto a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, quanto o delegado da PF que preside o inquérito, Cleyber Malta Lopes, não demonstraram interesse em pedir ao ministro relator no STF, Luís Roberto Barroso, acesso à movimentação bancária do presidente para ver se há ou houve alguma relação com empresas do setor portuário.

PISTAS DE LADO

Pistas também deixaram de ser perseguidas. Em junho passado, a PF apreendeu na Argeplan, empresa do coronel aposentado da PM João Baptista Lima Filho, "um projeto de reforma de imóvel com nome Maristela Temer", filha do presidente, um recibo de pagamento em nome dela e um disco rígido com "diversas informações sobre a reforma no apartamento".

Eventuais pagamentos da Argeplan, que tem contratos com órgãos públicos, à filha de Temer poderia indicar a dissimulação de vantagens indevidas. Nenhum dos documentos, porém, foi até o momento cruzado com o sigilo bancário de Maristela, que também não foi quebrado.

A filha do presidente não aparece como alvo da investigação nem é citada pela PF como alguém que mereça ser ouvido no futuro.

No inquérito há um relatório que sugere quebrar sigilo dos investigados, incluindo Temer, mas o papel foi produzido por um agente e um escrivão da PF, legalmente incapaz de pedir a quebra.

Pelo sistema de foro privilegiado no STF, caberia a Dodge formalizar o pedido a Barroso, o que não havia ocorrido até sexta (9).

Existe a hipótese de os sigilos terem sido quebrados em algum procedimento sigiloso, mas não há nenhuma referência nos autos públicos da investigação.

A PGR informou que, sobre o inquéritos dos portos, toda "manifestação ocorrerá somente nos autos".

A Polícia Federal não havia se manifestado até a conclusão deste texto.

Fonte: JL/Folha
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
21/02/18, 21:14 | POLÊMICA - Comissão de senadores vai fiscalizar intervenção federal no Rio de Janeiro
21/02/18, 17:37 | POLÊMICA - STF julgará em março validade do auxílio-moradia para juízes
21/02/18, 17:34 | DECISÃO - Prisão domiciliar a mulheres grávidas é bem-vinda, diz especialista
21/02/18, 17:31 | STF - Celso de Mello defende que plenário discuta prisão após segunda instância
21/02/18, 16:58 | ECONOMIA - Meirelles: Governo prepara novo empréstimo de R$ 1 bi ao Rio
21/02/18, 16:48 | STF - Ministro diz que intervenção não resolve problema de segurança
21/02/18, 16:45 | CRIME - Subcomandante de UPP é assassinado em lanchonete no Rio
21/02/18, 15:25 | DADOS - Brasil cai 17 posições em ranking global de corrupção e tem pior situação em 5 anos
21/02/18, 15:17 | PRESTAÇÃO DE CONTAS - Ouvidoria Nacional do CNMP apresenta relatório das atividades de 2017
21/02/18, 14:10 | POLÍTICA - Arthur Virgílio fala em armação e ameaça abandonar prévias do PSDB
21/02/18, 14:04 | POLÊMICA - Para MPF, intervenção no Rio é duvidosa e decreto viola leis
21/02/18, 13:34 | ELEIÇÕES 2018 - Temer “já é candidato”, diz marqueteiro do presidente: “Jogou tudo na intervenção”
21/02/18, 13:17 | DECISÃO - Juiz flagrado dirigindo Porsche de Eike Batista é condenado a 52 anos prisão
21/02/18, 12:46 | POLÊMICA - Universidade de Brasília cria disciplina sobre ‘golpe de 2016’ dado por Temer
21/02/18, 11:46 | ARTIGO - INTERVENÇÃO FEDERAL – “Busca e Apreensão Itinerante” e não “Mandado Coletivo”
21/02/18, 11:32 | OPINIÃO - LEIA O ARTIGO - HC: direito do Lula
20/02/18, 21:02 | DISCURSO - Senador se diz arrependido e pede desculpas a Dilma por ter votado a favor do impeachment
20/02/18, 20:59 | REAÇÃO - Maia diz que governo desrespeita Parlamento com pauta econômica: “Café velho e frio”
20/02/18, 20:50 | POLÊMICA - Intervenção no Rio de Janeiro vai terminar em tragédia, diz o jurista Pedro Serrano
20/02/18, 20:43 | JUDICÁRIO - STF concede prisão domiciliar a presas grávidas ou com filhos de até 12 anos
20/02/18, 20:37 | LAVA JATO - STJ manda soltar irmãos Wesley e Joesley Batista
20/02/18, 15:48 | LAVA JATO - Irmãos Batista da JBS querem delatar membros do Judiciário
20/02/18, 15:40 | JULGAMENTO - Turma do STF envia ao plenário ações sobre condenação em segunda instância
20/02/18, 15:13 | PRONTA RESPOSTA - Planalto pede ajuda a todas áreas do governo para Temer dar entrevistas
20/02/18, 15:09 | POLÊMICA - OAB-SE diz que intervenção no Rio de Janeiro é inconstitucional
20/02/18, 15:07 | ECONOMIA - Tempo médio de desemprego já dura 1 ano e 2 meses, diz pesquisa
20/02/18, 14:01 | ENTREVISTA - Aposentadoria de mulheres e jovens são as mais ameaçadas pela reforma
20/02/18, 13:02 | HISTÓRIA - Honestílio Dias Neto acumula curriculum com Quinto Concurso Público Federal
20/02/18, 11:44 | PARLAMENTO - Câmara dos Deputados afasta Paulo Maluf do exercício do mandato e convoca suplente
20/02/18, 11:38 | POLÊMICA - Trabalhadores comemoram suspensão de reforma, mas vão continuar mobilizados
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site