CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

Um ensaio a Emilly - "Mascarar a verdade" é o mesmo que "mentir"

Na investigação e na persecução de um crime, “mascarar a verdade" é o mesmo que "mentir". Uma das formas de violentar a sociedade

12/01/18, 09:15
Por Miguel Dias Pinheiro, advogado
 
O
infortúnio da garota Emilly Caetano nos faz repensar sobre a banalização da vida, sobre a violência como um problema de saúde pública a partir de mortes por causas e atitudes cruéis.

Na reflexão, Vinícius Webber diz que “vivemos tempos líquidos, leves, como diria Bauman. No mundo líquido as relações sociais relutam em adquirir forma. E a violência vem esvaindo toda possibilidade de uma vida digna. O ser humano vem sendo apequenado em dignidade e se agigantando em maldade”.

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman utilizou o conceito de “Modernidade Líquida” (ou “Pós-Modernidade”) como forma de explicar como se processam as relações sociais na atualidade. Autor das obras “Modernidade Líquida”, “Modernidade e Holocausto”, “Amor Líquido” e “Medo Líquido”, para ele “a incerteza é o habitat natural da vida humana – ainda que a esperança de escapar da incerteza seja o motor das atividades humanas. Escapar da incerteza é um ingrediente fundamental, mesmo que apenas tacitamente presumido, de todas e quaisquer imagens compósitas da felicidade. É por isso que a felicidade ‘genuína’ adequada e total sempre parece residir em algum lugar à frente: tal como o horizonte, que recua quando se tenta chegar mais perto dele”.

“Se a violência é contrária ao suporte axiológico maior, que embasa toda lei criada pelo homem para o homem em sua convivência social, por que a violência insiste em se alastrar? Por que a banalização da vida se torna cada dia mais forte?” – indaga Webber.

Na investigação e na persecução de um crime, “mascarar a verdade" é o mesmo que "mentir". Uma das formas de violentar a sociedade. Um inquérito policial ou um processo-crime “mascarado” é inaceitável. Portanto, é inadmissível conviver com um cenário de fragilidade moral, de ausência ética, de dominação pelo banal, pelo fútil, pelo torpe,... Porque, como ensinam as Ciências Penais, “a mentira é uma capa malfeita que os mentirosos no crime criam para vestir a verdade”.

O Direito Penal trás em si uma de suas máximas: “Toda máscara tem um buraco por onde a verdade escapa”. Uma coisa é o direito à não autoincriminação. O autor de um crime não é obrigado a dizer a verdade. Nem a permanecer no local do delito, de dizer onde escondeu a arma, confessar, etc. Outra bem diferente é alterar o cenário do crime, inovar no estado de lugar das coisas e das pessoas para criar artificiosamente outra realidade ocular com a finalidade de induzir outrem em erro.

A mentira, no campo penal, jamais poderá ser interpretada como direito ínsito. Mas, ao contrário, como subterfúgio repudiável ao exercício de uma atividade investigativa ou judicante.

Pedro Reis, em sua obra “Dever de Verdade – Direito de Mentir. História do pensamento jurídico”, diz que “(...) onde o silêncio for útil, não se justifica a mentira, pelo que do direito de calar não decorre um direito de falsear uma declaração”. Para Antônio Pedro Barbas Homem, em “O que é direito?”, “a verdade brilha e guia a nossa liberdade e a nossa vontade; ao passo que a mentira, ao contrário, conduz à escuridão e ao vazio”.

“Não se exige o heroísmo do acusado de dizer a verdade autoincriminadora, ou seja, o comportamento de dizer a verdade não é imposto, mas isso não quer dizer que exista o direito de mentir”, diz Theodomiro Dias Neto, em “O direito ao silêncio: tratamento nos direitos alemão e norte-americano”, Revista Brasileira de Ciências Criminais.

No que tange a possibilidade de alguém manter-se em silêncio sobre a verdade de um crime é uma coisa. Outra é mentir durante os procedimentos investigatórios e de instrução, o que o ordenamento jurídico brasileiro não confere o mesmo tratamento. Ao contrário, estabelece limites.

No processo criminal, desde a investigação até à instrução criminal, invariavelmente, a mentira funciona como tese de defesa. Portanto, a consciência da existência desse mal não justifica uma atitude jurídica omissa, omissa a ponto de permitir que este malefício se propague. É imprescindível ao Judiciário o uso da sensatez, da prudência e da cautela para casos como tais, para averiguar formas intencionais para mascarar a verdade.

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
23/07/18, 13:15 | ECONOMIA - gás de cozinha e combustíveis aumentaram três vezes mais que a inflação
23/07/18, 13:04 | PRODUÇÃO - Nordex vai dobrar capacidade de fábrica de torres para energia eólica no Piauí
23/07/18, 10:40 | ECONOMIA - Após semana com preço estável, Petrobras volta a baixar gasolina
23/07/18, 10:36 | ECONOMIA - Especialistas contestam propostas de CPI dos Cartões de Crédito
23/07/18, 09:59 | BENEFÍCIO - Novo período para saque do abono salarial 2016 começa dia 26 de julho
22/07/18, 21:51 | POLÍTICA - Bolsonaro: “Quero agradecer ao Alckmin por reunir a nata do que há de pior do Brasil ao seu lado”
22/07/18, 21:40 | BRASILEIRÃO - Em jogo com polêmicas, Cruzeiro vira sobre Atlético-PR
22/07/18, 21:34 | ELEIÇÕES - Janaina Paschoal critica seguidores de Bolsonaro em convenção
22/07/18, 21:26 | ACIDENTE - Mulher morre e outros cinco ficam feridos durante colisão entre dois carros na entrada da Lagoa do Portinho
22/07/18, 21:12 | POLÊMICA - Para PF, Moro errou ao interceder em decisão sobre soltar Lula
22/07/18, 15:08 | LEGISLAÇÃO - Poder Executivo é autor de um terço das leis aprovadas nos últimos 10 anos
22/07/18, 15:04 | PREVIDÊNCIA - Confira para quanto pode ir a aposentadoria em 2019
22/07/18, 13:35 | DECISÃO - Justiça determina regularização do abastecimento da farmácia do HUT
22/07/18, 13:17 | POLÍTICA - Senadores gastaram R$ 10,6 milhões com atividades do cargo
22/07/18, 13:04 | DECISÃO - Bens de um cônjuge não respondem por obrigação de ato ilícito do outro
22/07/18, 12:37 | OPINIÃO - Caso do ex-presidente Lula é uma tragédia típica brasileira
22/07/18, 11:45 | PRINCÍPIO DA LAICIDADE - Lei que exige Bíblia em espaços públicos de leitura é inconstitucional, decide TJ-AM
22/07/18, 11:40 | ÁUDIOS REVELADORES - Poder Legislativo peruano destitui cúpula do Judiciário do país
22/07/18, 11:28 | ARTIGO - Venda da Embraer: o agente oculto
21/07/18, 21:45 | ESPORTE - Fla bate o Botafogo e continua firme na liderança do Brasileirão
21/07/18, 21:28 | CORRUPÇÃO - Juiz eleitoral devolve o caso do tucano Beto Richa a Sergio Moro
21/07/18, 20:57 | ECONOMIA - Empresários aguardam Refis do Supersimples para não fechar portas
21/07/18, 20:46 | VIOLÊNCIA - Número de tiroteios aumenta no Rio após intervenção federal
21/07/18, 20:27 | POLÍTICA - Tem “propina até no STF”, diz jingle distribuído por Jair Bolsonaro
21/07/18, 15:24 | ELEIÇÕES - Segurança e economia são os temas mais debatidos por brasileiros no Facebook
21/07/18, 15:16 | DESTAQUES - Prêmio Congresso em Foco já acumula mais de 300 mil votos
21/07/18, 15:06 | POLÍTICA - Congresso terá número recorde de candidatos à reeleição
21/07/18, 14:22 | ELEIÇÕES - Deputados vão denunciar Bolsonaro por crime de incitação à violência
21/07/18, 14:16 | POLÍTICA - Veja os candidatos à Presidência já anunciados e datas das convenções
21/07/18, 13:53 | MUNDO - Nove dos 17 mortos em naufrágio nos EUA eram da mesma família
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site