CBN - A rádio que toca notícia

MOBILIZAÇÃO

No Senado, centrais repudiam projeto de reforma trabalhista

Dirigentes se reuniram com Renan Calheiros e outros parlamentares. PL é "devastador", diz presidente da CUT. Aprovada sem debate, reforma é 'megaprojeto de desconstrução', afirma diretor técnico do Dieese

17/05/17, 17:52

R

epresentantes das centrais sindicais mantêm contatos, durante todo o dia de hoje (17), com senadores da oposição e também da base governista para tentar barrar o projeto (PLC 38) de reforma da legislação trabalhista. Uma dessas reuniões ocorreu na liderança do PMDB, incluindo Renan Calheiros (AL), autor do convite, e Kátia Abreu (TO), além de Paulo Rocha (PT-PA) e Lindbergh Farias (PT-RJ). As posições não são unânimes e vão da apresentação de um texto alternativo ao pedido de retirada do projeto, para iniciar um processo de negociação. "Pretendemos um total mudança nesse projeto, porque ele é devastador do início ao fim", afirmou o presidente da CUT, Vagner Freitas. "Essa reforma não gera emprego, eles estão substituindo emprego por 'bico'."

Presente à reunião com Renan, o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, observou que não houve debate sobre o tema na Câmara, considerando que o substitutivo ao PL 6.787 aprovado foi completamente diferente do projeto original, que "virou pó", segundo suas palavras. "Eles (deputados) não conhecem o que aprovaram. Jogaram fora (o original) e fizeram outra coisa, que não tem nada a ver com aquilo que o governo mandou." A ideia, no Senado, é estabelecer um cronograma de debates e evitar uma tramitação às pressas, como quer o governo.

Segundo Ganz Lúcio, o projeto aprovado na Câmara "talvez seja a mais ampla reforma trabalhista desde que a CLT foi criada". Trata-se, afirmou, de "um megaprojeto de desconstrução da legislação trabalhista", com implementação de um novo modelo visando, basicamente, a reduzir o custo do trabalho.

Renan Calheiros criticou as negociações em curso para que o governo edite uma medida provisória sobre o tema, garantindo com isso a aprovação do texto de reforma na íntegra – se houver alterações, o projeto tem de voltar para a Câmara. "Dizer que o Senado não pode alterar é negar o papel do próprio Senado", afirmou. O governo quer acelerar a tramitação do projeto, enquanto as centrais e a oposição defendem que o texto passe por todas as comissões.

Algumas centrais, como a Força Sindical, optam por mudanças no projeto. "Discutimos ponto a ponto", afirmou o secretário-geral da entidade, João Carlos Gonçalves. "O Renan, a Kátia Abreu e outros do PMDB acham que tem haver o trâmite legislativo", observou. Isso abre a possibilidade de fazer alterações no texto e remetê-lo de volta à Câmara, contrariando o que deseja o Planalto. Segundo Juruna, as centrais também são contra a ideia de uma medida provisória.

CUT: "80% não sabem no que votaram"

"Esse projeto parte do princípio de acabar com a contratação entre sindicato e empregador e estabelecer a contratação direta entre trabalhador e patrão. O que caracteriza esse projeto – e eles não falam isso para o trabalhador – é pura e simplesmente jogar o trabalhador para negociar individualmente a sua contratação com patrão, sem a presença do sindicato e sem o apoio da Justiça do Trabalho", disse Vagner Freitas, pedindo ao líder do PMDB que o projeto seja debatido, o que não aconteceu na Câmara.

"Eu quero dizer pro senhor que 80% dos deputados que votaram no PL da reforma trabalhista não leram e não conhecem o projeto", acrescentou o presidente da CUT, referindo-se também à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, de reforma da Previdência. "Não sabem o que aconteceu, não sabem que jogaram o Brasil na maior crise econômica e financeira do planeta. Eles acabaram com a capacidade do município arrecadar. E as migalhas que Temer está dando aos prefeitos resolve momentaneamente a questão da crise econômica. A reforma trabalhista, junto com a previdenciária, destrói a possibilidade de o município resistir porque não tem economia real na maior parte dos municípios, que vivem de recursos da aposentadoria e da valorização do salário mínimo."

Segundo o sindicalista, o projeto trabalhista traz outros problemas, como a contratação temporária e a intermitente. "O empregador pode fazer o contato por nove meses e depois prorrogar. O que eles não falam é que na vigência do contrato temporário não recolhem para a aposentadoria, não tem nenhum benefício. (No trabalho intermitente) O trabalhador não vai conseguir fazer crediário porque não tem como comprovar rendimento para ter acesso a crédito."

 As centrais percorrem gabinetes para conversar com líderes partidários. Na sexta, deverão se reunir para avaliar o resultado dos encontros e a organização da marcha e ocupação previstas para a próxima quarta-feira (24), em Brasília.

Fonte: JL/Rede Brasil Atual
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
25/06/17, 21:23 | EVENTO - "O País está pior do que em outros momentos, pior do que em 1964", diz José Serra
25/06/17, 20:45 | BRASILEIRÃO - Flamengo com time milionário sofre contra um Bahia com 10 jogadores
25/06/17, 20:06 | BRASILEIRÃO - Cássio pega pênalti e Corinthians bate o Grêmio na Arena
25/06/17, 20:00 | BRASILEIRÃO - São Paulo empata com o Fluminense e se complica na tabela
25/06/17, 17:24 | REFORMA - Pesquisa aponta que maioria da população é contra reforma trabalhista
25/06/17, 16:34 | CRIMES - Desde 2013, prisões por corrupção no Brasil cresceram 288%
25/06/17, 14:51 | CORRUPÇÃO - Deputados que vão analisar denúncia contra Temer são alvos de delatores
25/06/17, 14:01 | MOVIMENTO - Caminhada pela Paz reúne 1.500 pessoas em combate às drogas em Teresina
25/06/17, 13:51 | ACIDENTE - Colisão entre carro e caminhão baú deixa vítima presa às ferragens na BR-316
25/06/17, 13:46 | BRASILEIRÃO - Nenê decide de falta e Vasco bate o Atlético-GO no São Januário
25/06/17, 13:39 | CORRUPÇÃO - Saiba quais são os passos em caso de denúncia contra Temer pela PGR
25/06/17, 13:07 | RECONHECIMENTO - Luzilândia premia seus alunos da rede muncipal na Olimpíada de Matemática
25/06/17, 12:53 | CRIMINALIDADE - Bandidos fazem a 'festa' em São Bernardo, Magalhães de Almeida e Luzilândia
25/06/17, 12:31 | ARTIGO - O crime não compensa; o que compensa é a impunidade
25/06/17, 07:41 | SORTE - Doze apostas levam o prêmio de R$ 130 mi da Quina de São João
25/06/17, 07:33 | CAIXA TRÊS - Odebrecht usou empesas laranjas para financiar campanha de Heráclito
24/06/17, 19:24 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Doleiro aliado à Cunha prometeu 'acabar' com Temer em delação
24/06/17, 15:24 | CRIME - Receita Federal alerta para envio de falsas intimações pelos Correios
24/06/17, 15:17 | LEI - Câmara aprova fim de multa a quem não portar CNH e licenciamento
24/06/17, 15:10 | REPÚDIO - CNBB critica 'barganhas sem escrúpulos' na política brasileira
24/06/17, 13:26 | ADMINISTRAÇÃO - Após 127 anos de história, Luzilândia tem sua 1ª Administração transparente
24/06/17, 13:22 | INVESTIGAÇÃO - PF diz que não houve edição em gravação de Joesley com Temer
24/06/17, 13:16 | POLÊMICA - Ministro quer trocar o diretor da PF e reorganizar instituição
24/06/17, 13:04 | PESQUISA - Maioria acredita que saída de Temer é o melhor para o país
24/06/17, 12:20 | ARAPONGAGEM - Cármen Lúcia pede varredura em telefones do Supremo Tribunal
24/06/17, 12:13 | PESQUISA - Temer é presidente com menor popularidade em 28 anos
24/06/17, 09:20 | ARTIGO - Na Criminologia, a confusão entre Feminicídio e Homicídio Qualificado
23/06/17, 17:56 | ECONOMIA - Ministro teme que outros países suspendam compra de carne
23/06/17, 17:44 | POLÍTICA - Temer é pressionado a tirar PSDB dos ministérios
23/06/17, 17:39 | MINISTÉRIO PÚBLICO - Cotados à vaga de Janot na PGR prometem manter Lava Jato
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site