CBN - A rádio que toca notícia

MOBILIZAÇÃO

No Senado, centrais repudiam projeto de reforma trabalhista

Dirigentes se reuniram com Renan Calheiros e outros parlamentares. PL é "devastador", diz presidente da CUT. Aprovada sem debate, reforma é 'megaprojeto de desconstrução', afirma diretor técnico do Dieese

17/05/17, 17:52

R

epresentantes das centrais sindicais mantêm contatos, durante todo o dia de hoje (17), com senadores da oposição e também da base governista para tentar barrar o projeto (PLC 38) de reforma da legislação trabalhista. Uma dessas reuniões ocorreu na liderança do PMDB, incluindo Renan Calheiros (AL), autor do convite, e Kátia Abreu (TO), além de Paulo Rocha (PT-PA) e Lindbergh Farias (PT-RJ). As posições não são unânimes e vão da apresentação de um texto alternativo ao pedido de retirada do projeto, para iniciar um processo de negociação. "Pretendemos um total mudança nesse projeto, porque ele é devastador do início ao fim", afirmou o presidente da CUT, Vagner Freitas. "Essa reforma não gera emprego, eles estão substituindo emprego por 'bico'."

Presente à reunião com Renan, o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, observou que não houve debate sobre o tema na Câmara, considerando que o substitutivo ao PL 6.787 aprovado foi completamente diferente do projeto original, que "virou pó", segundo suas palavras. "Eles (deputados) não conhecem o que aprovaram. Jogaram fora (o original) e fizeram outra coisa, que não tem nada a ver com aquilo que o governo mandou." A ideia, no Senado, é estabelecer um cronograma de debates e evitar uma tramitação às pressas, como quer o governo.

Segundo Ganz Lúcio, o projeto aprovado na Câmara "talvez seja a mais ampla reforma trabalhista desde que a CLT foi criada". Trata-se, afirmou, de "um megaprojeto de desconstrução da legislação trabalhista", com implementação de um novo modelo visando, basicamente, a reduzir o custo do trabalho.

Renan Calheiros criticou as negociações em curso para que o governo edite uma medida provisória sobre o tema, garantindo com isso a aprovação do texto de reforma na íntegra – se houver alterações, o projeto tem de voltar para a Câmara. "Dizer que o Senado não pode alterar é negar o papel do próprio Senado", afirmou. O governo quer acelerar a tramitação do projeto, enquanto as centrais e a oposição defendem que o texto passe por todas as comissões.

Algumas centrais, como a Força Sindical, optam por mudanças no projeto. "Discutimos ponto a ponto", afirmou o secretário-geral da entidade, João Carlos Gonçalves. "O Renan, a Kátia Abreu e outros do PMDB acham que tem haver o trâmite legislativo", observou. Isso abre a possibilidade de fazer alterações no texto e remetê-lo de volta à Câmara, contrariando o que deseja o Planalto. Segundo Juruna, as centrais também são contra a ideia de uma medida provisória.

CUT: "80% não sabem no que votaram"

"Esse projeto parte do princípio de acabar com a contratação entre sindicato e empregador e estabelecer a contratação direta entre trabalhador e patrão. O que caracteriza esse projeto – e eles não falam isso para o trabalhador – é pura e simplesmente jogar o trabalhador para negociar individualmente a sua contratação com patrão, sem a presença do sindicato e sem o apoio da Justiça do Trabalho", disse Vagner Freitas, pedindo ao líder do PMDB que o projeto seja debatido, o que não aconteceu na Câmara.

"Eu quero dizer pro senhor que 80% dos deputados que votaram no PL da reforma trabalhista não leram e não conhecem o projeto", acrescentou o presidente da CUT, referindo-se também à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, de reforma da Previdência. "Não sabem o que aconteceu, não sabem que jogaram o Brasil na maior crise econômica e financeira do planeta. Eles acabaram com a capacidade do município arrecadar. E as migalhas que Temer está dando aos prefeitos resolve momentaneamente a questão da crise econômica. A reforma trabalhista, junto com a previdenciária, destrói a possibilidade de o município resistir porque não tem economia real na maior parte dos municípios, que vivem de recursos da aposentadoria e da valorização do salário mínimo."

Segundo o sindicalista, o projeto trabalhista traz outros problemas, como a contratação temporária e a intermitente. "O empregador pode fazer o contato por nove meses e depois prorrogar. O que eles não falam é que na vigência do contrato temporário não recolhem para a aposentadoria, não tem nenhum benefício. (No trabalho intermitente) O trabalhador não vai conseguir fazer crediário porque não tem como comprovar rendimento para ter acesso a crédito."

 As centrais percorrem gabinetes para conversar com líderes partidários. Na sexta, deverão se reunir para avaliar o resultado dos encontros e a organização da marcha e ocupação previstas para a próxima quarta-feira (24), em Brasília.

Fonte: JL/Rede Brasil Atual
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
25/05/17, 14:44 | ADMINISTRAÇÃO - Assessoria faz prefeito de Luzilândia perder conceito e credibilidade
25/05/17, 14:26 | RECURSOS - Em 2017, Luzilândia já recebeu mais de R$ 12 milhões de reais
25/05/17, 13:20 | ENSINO - Ginásio Luzilandense marcou uma Educação decente em Luzilândia
25/05/17, 12:29 | CRISE - Governo quer identificar e processar responsáveis por depredação em protesto
25/05/17, 12:24 | POLÊMICA - Doria descumpre promessas e nova cracolândia surge em SP
25/05/17, 12:16 | CRISE - Sob pressão, Temer recua e revoga decreto de Forças Armadas
25/05/17, 11:33 | ILEGALIDADE - Prefeito de Luzilândia quer usar a taxa de iluminação pública para pagar "rombo" de prefeitos anteriores
24/05/17, 23:53 | CONTRIBUIÇÃO - Prefeito deve arrecadar mais de R$ 4 milhões anuais com taxa de iluminação em Luzilândia
24/05/17, 21:00 | CRISE - Protesto termina com 49 feridos, 7 detidos e Exército nas ruas
24/05/17, 17:33 | CRISE - Temer aciona tropas federais para proteger Planalto e ministérios
24/05/17, 17:13 | CONFUSÃO - Ato contra Temer em Brasília tem confronto e prédios incendiados
24/05/17, 15:21 | CRISE - Já são 12 os pedidos de impeachment do presidente Michel Temer
24/05/17, 15:11 | DEPOIMENTO - Joesley fala: nenhum dos filhos de Lula é sócio da Friboi
24/05/17, 15:02 | POLÍTICA - Lula diz que PT não apoiará eleições indiretas sem nome de centro
24/05/17, 14:52 | POLÍTICA - Grupo de senadores quer Lula e FHC na articulação de novo governo sem Temer
24/05/17, 14:40 | MOVIMENTO - Centrais sindicais querem nova greve geral, diz Paulinho da Força
24/05/17, 13:34 | PROJETO DE LEI - População de Luzilândia se revolta após prefeito aumentar taxa de iluminação pública em 800%
24/05/17, 09:14 | ELEIÇÕES 2014 - OAB pede ao TSE fim do sigilo de toda a ação contra chapa Dilma-Temer
24/05/17, 08:47 | TERRORISMO - Polícia prende três suspeitos de atentado em Manchester
24/05/17, 08:22 | CELEBRIDADE - Aline Riscado mostra foto e vídeo de lingerie em bastidores de ensaio
24/05/17, 08:19 | JUDICIÁRIO - Para Barroso, Brasil faz revisão inédita das práticas políticas
24/05/17, 08:12 | CRISE - Sandro Mabel se demite e é o 4º assessor de Temer a deixar governo
23/05/17, 21:21 | DELAÇÃO - Em vídeo, Aécio Neves se defende de acusações e diz que foi vítima de armação
23/05/17, 20:56 | ESPORTE - Chape é punida pela Conmebol e está eliminada da Libertadores
23/05/17, 20:48 | CRISE - Aliados cogitam cassação de Temer e avaliam nomes para Presidência
23/05/17, 20:17 | POLÊMICA - Agravamento da crise afeta propostas de reforma política
23/05/17, 17:26 | CORRUPÇÃO - Defesa de Michel Temer quer separar investigação de Aécio Neves
23/05/17, 17:09 | JULGAMENTO - Paulo Maluf é condenado a 7 anos e 9 meses de prisão
23/05/17, 16:23 | ARTIGO - Império de Aécio “ruiu” e "trincou" a história e a imagem tucana
23/05/17, 15:31 | PROPINA - Irmã de Aécio joga 'culpa' para o senador e pede para ser solta
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site