CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

A credibilidade da delação premiada na Justiça Brasileira

Com a instituição da figura jurídica da delação premiada, os benefícios - não se pode negar - foram enormes e fundamentais para as investigações da ‘Operação Lava-Jato’

19/04/17, 13:53
por Nixonn Freitas Pinheiro, advogado
 
E
m uma linguagem bem simples, sem os contornos do juridiquês, delação é o efeito ou ato de fazer uma denúncia sobre algo que era tido como segredo. No campo jurídico, ocorre quando um suspeito, um investigado ou um acusado por determinado crime fornece informações importantes para a Polícia, para o Ministério Público e para a Justiça no sentido de colaborar para o seu desvendamento e/ou captura de outros envolvidos na ilicitude.

No governo Fernando Henrique Cardoso editou-se a Lei nº 9.034, de 03 de maio de 1995, que dispunha sobre a utilização de meios operacionais para a prevenção e repressão de ações praticadas por organizações criminosas. A presente lei apenas permitia procedimentos tais como, “a ação controlada na formação das provas e fornecimento de informações”; “o acesso a dados, documentos e informações fiscais, bancárias, financeiras e eleitorais dos investigados”; “captação e a interceptação ambiental de sinais eletromagnéticos, óticos ou acústicos, e o seu registro e análise, mediante circunstanciada autorização judicial”; e a “infiltração por agentes de polícia ou inteligência, em tarefas de investigação”.

A lei de FHC, no entanto, não trazia a figura da colaboração/delação premiada. Foi somente no governo Dilma Rousseff que se editou a Lei nº 12.850, de 02 de agosto de 2013, para definir organização criminosa e dispor sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas e o procedimento criminal, alterando-se o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal) e revogando-se a Lei no 9.034, de 3 de maio de 1995.

Com a instituição da figura jurídica da delação premiada, os benefícios - não se pode negar - foram enormes e fundamentais para as investigações da ‘Operação Lava-Jato’. Além do que para o desvendamento de outros crimes cometidos por bandos ou quadrilhas, mormente no âmbito político, perpetrados por organizações criminosas para surrupiar o dinheiro público.

No processo-crime não há uma cronologia para quando uma delação premiada deva ser divulgada, tornada pública e de domínio público. Para tanto, basta que seja conveniente e homologada judicialmente. O condão da homologação é que concede presunção de veracidade dos fatos, já que – antes da homologação – confrontaram-se os indícios apurados e confirmados, sobretudo levando-se em consideração a documentação coletada pela investigação. Neste caso, o documento apresentado e confirmado pelo delator se constituirá, no futuro, na prova das provas.

A divulgação de delação homologada pelo Judiciário não pode ficar condicionada ao recebimento da denúncia para ter seu conteúdo divulgado. Em hipótese alguma! Até prova em contrário, no decorrer da instrução, a delação homologada é considerada como meio de obtenção de prova.

A própria lei que a instituiu (no texto legal chama-se colaboração premiada) prescreve em seu art. 3º, inciso I, que, “em qualquer fase da persecução penal, serão permitidos, sem prejuízo de outros já previstos em lei, os seguintes meios de obtenção da prova: I – colaboração premiada”.

Em verdade, delação é uma das espécies do gênero colaboração premiada. Por esta ser mais ampla. A delação é uma forma de exercer a colaboração. Veja um exemplo de como uma colaboração premiada que não é delação premiada: o autor confessa a prática do crime e não delata nenhum comparsa. No entanto, fornece todas as informações necessárias para que as autoridades recuperem o dinheiro desviado com o esquema criminoso e que se encontrava em contas bancárias no exterior, por exemplo. Assim, toda delação premiada é uma forma de colaboração premiada. Mas, nem sempre a colaboração premiada será feita por meio de uma delação premiada.

Qual seria, então, a credibilidade da delação para a Justiça Brasileira?

Celebrado o acordo, o pacto entre delator e autoridades, a delação premiada somente terá eficácia jurídica se provados os seguintes requisitos:

a) Regularidade: se os aspectos formais e procedimentais foram atendidos;

b) Legalidade: se o pacto celebrado não ofendeu algum dispositivo legal;

c) Voluntariedade: se o investigado/acusado/delator não foi coagido a assinar o acordo.

Contudo, uma verdade deve ser dita. Nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas em delação premiada.

A lei exige que as declarações do colaborador/delator deverão ser corroboradas, confirmadas, ratificadas por outra(s) prova(s). Em palavras mais claras, a simples delação não é suficiente para uma condenação. "Daí a importância daquilo que a doutrina chama de regra da corroboração, ou seja, que o colaborador traga elementos de informação e de prova capazes de confirmar suas declarações” (in Renato Brasileiro de Lima, em “Legislação Criminal Especial Comentada”, Juspodivm, p. 545).

“O depoimento do colaborador é meio de prova que, no entanto, somente se mostra hábil à formação do convencimento judicial se vier a ser corroborado por outros meios idôneos de prova. Por essa razão, o art. 4º, § 16, da Lei nº 12.850/2013, dispõe que nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento exclusivo nas declarações do agente colaborador” (STF. Plenário. HC 127483/PR julgado em 26 e 27/8/2015).

No caso específico da Lava-Jato, há uma exaustiva investigação da Polícia Federal antes de se homologar a delação premiada. Quando o delator chega para aceitar o acordo, estando preso ou não, já há um acervo enorme de indícios (sobretudo documentais) mostrando e denunciando a organização criminosa, “entregando” os partícipes dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas,... Os delatados ficam quase que indefensáveis diante dos fortes e veementes indícios, da clarividência dos fatos.

A Polícia, o Ministério Público e nem tampouco o Poder Judiciário não estão interessados na “confiança” do delator. Não! O que importa e interessa é a análise da idoneidade e utilidade das informações prestadas por ele. E que será aferida pela investigação e no curso do processo-crime.

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
19/10/17, 21:18 | LEVANTAMENTO - Empresas investem mais em programas anticorrupção após a Lava Jato, diz pesquisa
19/10/17, 21:15 | ESPORTE - Flamengo recorre ao STF contra decisão que declarou Sport campeão de 1987
19/10/17, 21:06 | SAÚDE - Mister M está com câncer terminal e tem apenas mais um ano de vida
19/10/17, 20:51 | PROPINA - STJ manda soltar Carlos Arthur Nuzman
19/10/17, 20:44 | INVESTIGAÇÃO - 'Mais do que indícios, há prova', diz Dodge ao pedir inquérito contra Lúcio Vieira Lima
19/10/17, 20:38 | PROMISCUIDADE - PF: Aécio ligou para Gilmar no dia em que o ministro tomou decisão favorável ao tucano
19/10/17, 15:32 | CRIME - Polícia identifica corpos de meninas achadas mortas em carro na Zona Leste de SP
19/10/17, 15:26 | CORRUPÇÃO - Fachin manda soltar homem preso com Geddel no episódio dos R$ 51 milhões
19/10/17, 15:11 | POLÍTICA - Temer coloca aliança com PSDB e DEM para 2018 como meta pós-denúncia
19/10/17, 15:06 | LAVA JATO - Cunha questiona se estaria preso caso recebesse o mesmo tratamento de Aécio
19/10/17, 14:06 | REGULAMENTAÇÃO - Mototaxímetro funciona em fase de testes em Teresina; corridas aumentaram 40%
19/10/17, 13:57 | CRIMINALIDADE - Moradores protestam contra violência após morte de jovem em latrocínio
19/10/17, 13:48 | OBRA - Elevado da Miguel Rosa é inaugurado nesta quinta-feira em Teresina
19/10/17, 13:10 | POLÍTICA - PSDB não deve entregar novos votos pró-Temer
19/10/17, 12:42 | DECISÃO - Tribunal desbloqueia bens de Joesley, família e do grupo J&F
19/10/17, 12:37 | BENEFÍCIOS - Agências do BB abrirão uma hora mais cedo para saques do Pasep
19/10/17, 12:11 | ECONOMIA - Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios
19/10/17, 12:06 | ECONOMIA - MP de Temer propõe entregar R$ 1 tri do petróleo do Brasil para estrageiros
19/10/17, 11:12 | CRISE - Senadores tucanos deixam para Aécio decisão sobre renúncia à presidência do PSDB
19/10/17, 11:07 | BENEFÍCIOS - Pessoas a partir de 70 anos podem sacar cotas do PIS/Pasep a partir de hoje
19/10/17, 10:34 | RELATÓRIO - Unicef diz que 7 mil recém-nascidos morrem por dia no mundo
18/10/17, 20:16 | POLÍTICA - ‘Deram um tiro de garrucha no Aécio e ele não aguentou’, diz Lula
18/10/17, 20:10 | POLÊMICA - Maia: Planalto disseminou ‘falsa versão’ de encontro com Temer
18/10/17, 20:06 | CORRUPÇÃO - Por 39 votos a 26, CCJ recomenda que Câmara 'enterre' denúncia contra Temer
18/10/17, 19:20 | TRÁFEGO - Multas de trânsito poderão ser pagas em parcelas e com cartão de crédito
18/10/17, 19:05 | ARTIGO - Esse Congresso não caiu do céu
18/10/17, 18:56 | ARTIGO - A direita não se endireita
18/10/17, 18:47 | ESPORTE - Rodada da Champions tem vitória do PSG com golaço de Neymar; resultados
18/10/17, 18:42 | REPERCUSSÃO - PSDB nega acordo com Michel Temer para salvar Aécio Neves
18/10/17, 18:38 | PROPINA - Aécio retorna ao Senado e se diz vítima de 'ardilosa armação'
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site