CBN - A rádio que toca notícia

OPINIÃO

Em Briga de Marido e Mulher, Não Se Mete A Colher

04/08/07, 09:36
por Raimundo Silveira - médico e escritor
 
Dizem que em Belém do Pará os compromissos são marcados para antes ou para depois da chuva. Pois numa certa aldeia nordestina era quase igual. Só que em vez de chuva era surra. "Então fica combinado. Pra antes ou pra depois da surra?" Sim. A surra era mais certa do que o nascer do sol. E tinha hora marcada. Era um marido, o espancador e a esposa, a espancada. Não se vai dizer motivos ou não motivos porque ninguém nunca soube. Da surra, sim. Pois, além de ser o acontecimento mais importante do lugar, era anunciado aos gritos que se escutavam melhor do que as badaladas do sino da igrejinha. Dizem também que, depois da sova, se arrependia e pedia perdão. Mas não tinha jeito de se ajeitar. 

Entre os porquês e os numseiporquês havia especulações para todos os gostos. Variavam desde preferências nelsonrodrigueanas da mulher, até perversões sexuais do marido. Entre os dois extremos, um mar de tititis e um oceano de cachaça. A coitada não aparecia. Na verdade, nunca foi vista. Suspeita-se que ele a impedia de chegar à janela, para a vizinhança não ver as marcas da sua maldade. Ou era ela própria. Com vergonha de tanta humilhação. O marido era visto saindo de ou entrando em casa. Sempre embriagado. Não trabalhava. Vivia de uma pequena aposentadoria.

Dizem que nem o mal, nem o bem, duram pra sempre, amém. De repente tudo sumiu. Foi como se a cidade tivesse passado por uma reforma completa. Os hábitos da população mudaram radicalmente. Aquela expectativa, que antecedia a cada pancadaria, aos poucos, foi minguando. Todos passaram a usar relógios. As especulações, agora, eram de outra natureza. Teriam feito as pazes? A família dela interveio e o ameaçou? Afinal houve um jeito de ele se ajeitar? Entretanto, só um mistério ainda preocupava: a pobre mulher continuava sem ver a luz do dia. Então, passaram a conjecturar o pior: ele a teria matado. Mas, como seria possível? Pelo que se sabia, quem morre, seja do que for, deixa um corpo. Aonde o escondera? Teria sepultado no quintal? Ou retirado de casa durante alta madrugada e enterrado noutro lugar?

Quanto ao homem, não mudara. Quer estiasse ou desabassem torós. Às vezes, o tempo suava como uma sauna. Noutras, tremia de frio quiném geladeira preste a sucumbir. Ele prosseguia na mesma vida de tonel. Quem não tem o que fazer, sobra tudo pra ser feito. Principalmente o nada. Embora, segundo alguns filósofos, ser e nada, sejam complementares. Conquanto, para outros, antagônicos. Para Winncott, por exemplo o nada-do-ser, é o início de tudo. Para Heidegger, não passaria do ser-para-a-morte. Sendo assim, o marido-carrasco, como ficou sendo conhecido, preferia seguir os postulados do segundo. Uma vez que, na natureza, tudo propende para o caos. Embora ele jamais tivesse escutado este "palavrão".

Subitamente, porém, do mesmo modo como desapareceram, os clamores ressurgiram. Desta feita, também à noite. Os dizquedissess não se limitavam mais apenas aos passatempos. Aos rumores e humores de fofoqueiros. Já se formavam rodinhas em esquinas e praças públicas. Já não eram apanágio de desocupados. Camelôs, sapateiros, jogadores, engraxates, embromadores, sucateiros, também era só no que falavam. 

Professores de certas disciplinas, como Moral e Civismo, simulavam aulas sobre a violência doméstica, só para conversar sobre o tema. Outros, cujas disciplinas nada tinham a ver com briga de marido e mulher, também. Alguns, pretendiam obter a raiz cúbica da intensidade, em decibéis, dos gritos da mulher, a pretexto de ensinar Física e Matemática. Falava-se que, no curral do açougue, as matanças passaram a demorar o dobro do tempo, pois os açougueiros preferiam ouvir os comentários sobre os berros da mulher a escutar os urros dos animais ao ser abatidos. Os compromissos também não puderam ser agendados para o antes e para o depois das sovas. Porque estas não tinham mais hora certa.

Até que um dia, uma coisa muito esquisita aconteceu: A gritaria encalacrou e se dividiu em gritinhos curtos, repetidos, estranhos. Como se a açoitada e o batedor estivessem presos numa vitrola quebrada. E o mistério da pancadaria, enfim, se desfez: O pobre homem nem mulher tinha. Nem mulher, nem nada que o animasse. A não ser aquele toca cd meio segundo time que ele punha pra funcionar a todo volume...
Fonte: JL/Raimundo Silveira
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
19/05/19, 20:13 | CRISE PROFUNDA - Jornal O Globo sentencia: Bolsonaro é ameaça à Educação brasileira
19/05/19, 19:30 | POLÍTICA - Deputadas do PSL brigam pelo Twitter e expõem divisão no partido
19/05/19, 19:26 | POLÍTICA - Crítico à base bolsonarista, MBL quer criar partido para 2022
19/05/19, 19:21 | SAÚDE - Novo pacote antidrogas facilita internação involuntária e fortalece clínicas
19/05/19, 19:00 | REFORMA - Relatório final da Reforma da `Previdência será apresentado em 15 dias
19/05/19, 18:56 | POLÍTICA - Janaina Paschoal se diz contra manifestação de apoio a Bolsonaro
19/05/19, 18:36 | POLÍTICA - 'Anunciar o caos recai na própria cabeça', diz FHC sobre Bolsonaro
19/05/19, 14:08 | POLÊMICA - “Avisei meus seguranças: o Sistema vai me matar”, escreveu Bolsonaro em grupos de WhatsApp
19/05/19, 13:55 | CRISE - A batalha pela Educação e a primeira derrota de Bolsonaro nas ruas
19/05/19, 11:25 | ENTREVISTA - Mães de Maio, 13 anos depois: ‘Moro é o ministro da morte’
19/05/19, 11:20 | OPINIÃO - Deslumbrados na República
18/05/19, 21:14 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Justiça determina acesso a notas fiscais de compras feitas por Flávio e Queiroz
18/05/19, 21:08 | ANÁLISE - Governo perdeu 'momento mágico', avaliam economistas
18/05/19, 20:52 | EVENTO - Mais de 70% da violência sexual contra crianças ocorre dentro de casa
18/05/19, 20:48 | ENTREVISTA - Janaína Paschoal: Bolsonaro “precisa parar com tanta xaropada e focar no trabalho”
18/05/19, 20:36 | INVESTIGAÇÃO - Sem se intimidar, Justiça amplia devassa nas contas de Flávio Bolsonaro
18/05/19, 15:33 | SAÚDE - Hipertensão atinge 24,7% dos moradores de capitais brasileiras
18/05/19, 15:30 | SAÚDE - Pacientes com transtorno mental têm direito a tratamento humanizado
18/05/19, 15:25 | JUDICIÁRIO - Paciente que precisa de remédios caros entra em pauta no STF
18/05/19, 14:10 | CULTURA - Virada Cultural tem 24h de shows, teatro e dança por toda São Paulo
18/05/19, 14:00 | CONFUSÃO - Depois da educação, governo Bolsonaro mira na saúde pública
18/05/19, 13:09 | OPINIÃO - O mercado e a Globo já decidiram: vão trocar o capitão pelo general
18/05/19, 13:01 | POLÍTICA - O governo Bolsonaro se aproxima da hora da verdade, por Luis Nassif
18/05/19, 12:53 | INVESTIGAÇÃO - Facebook identifica empresa israelense que espalhou fakenews nas eleições brasileiras
18/05/19, 12:49 | POLÍTICA - Bolsonaro concede anistia a partidos que não cumpriram cota mínima para mulheres
18/05/19, 12:29 | OPINIÃO - Para cair, basta ruir
17/05/19, 21:22 | POSTURA - Câmara e Senado decidem substituir o presidente Bolsonaro com ações para aquecer a economia
17/05/19, 21:02 | CÂMARA DOS DEPUTADOS - Capitalização é foco de críticas em audiência sobre Previdência
17/05/19, 20:56 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Coaf aponta que Queiroz fez saques de R$ 661 mil em 18 meses
17/05/19, 20:45 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Apuração sobre Flávio pode avançar sobre milícia, PSL e primeira-dama
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site